sexta-feira, 24 de maio de 2019

As estranhezas de Gravity Falls


Primeiramente vou escrever como conheci este livro chamado: Gravity Falls, o diário perdido. Gravity Falls, além de ser um livro, também é uma série de que minha prima e eu somos fãs. No Natal, ela pediu esse livro de presente. Queria saber como ele era, mas para não atrapalhá-la em sua leitura perguntei para minha mãe se poderia pegar uma amostra grátis do livro no Kindle (um aplicativo para leitura de livros digitais). Li até o quanto pude e amei o livro, por isso pedi um para mim também, e como gostei muito, estou fazendo essa produção textual sobre ele.
 No início, o livro/diário é escrito por um autor não identificado (se você já tiver assistido à série, vai saber quem é) que fala de todas as estranhezas que ele vê em Gravity Falls, a cidade que tem o LCÔ (Local da Colisão Ômega), que é como se fosse um imã de esquisitices. Esse autor estava construindo um portal interdimensional até que descobriu que estava sendo manipulado por Bill Cipher, um iluminati que queria dominar o mundo. Mas o irmão do autor o empurrou para o portal e o deixou lá por 30 anos.
            Depois de um bom tempo, um garoto acha esse livro/diário abandonado e começa a escrever nele até o dono voltar. O garoto descobre que o dono é seu tio-avô, que voltou do portal, e fica muito feliz, mas ele tem que ir embora, pois só estava em Gravity Falls por causa das férias de verão. Então ele, o garoto Dipper Pines, encerra sua transmissão, pois parou de escrever no livro/diário, mas o moço (Stanford) não.
 Se passam algumas páginas e o homem, Stanford Pines, também encerra sua transmissão... Tá, eu chorei, sim, mas eu não queria que o livro acabasse, principalmente depois de ele falar: “Pela última vez, a menos que nós nos encontremos em um mundo distante, esse é Stanford Pines, encerrando a transmissão.”
 Eu simplesmente super-power-blaster-big amei esse livro, e recomendo para todos.
 Esta é Yasmim, do 6º ano, encerrando a transmissão.



Nenhum comentário:

Postar um comentário

O arqueiro

LEE, Tony. Robin Hood: a lenda de um foragido. 2 ed. São Paulo: SM, 2009. O livro que li e do qual vou contar a história é uma versão ...