segunda-feira, 12 de novembro de 2018

A Economia de forma simples

“Crash – Uma Breve História da Economia” é um livro que, assim como indica o título, aborda o tema econômico, contando a história do dinheiro, e da forma como nós o utilizamos.
Alexandre Versignassi, autor do livro, parte desde o início, contando desde a história da criação do dinheiro em ouro, escambo, moedas, e moedas digitais. Depois parte a explicar termos como a inflação, a bolsa, e as maiores crises econômicas ao redor do globo.
A introdução, abre o livre contando a história da alta valorização das tulipas na Holanda do século XVII. Muitos dos nobres passaram a apreciar este espécime e, seguindo a lógica da lei da oferta e procura [explicadas no livro] (que aponta que, quanto mais pessoas interessadas na compra de algo, maior o valor do mesmo), teve um grandessíssimo aumento no preço, chegando a trezentos por cento anuais.
Porém, uma hora, os nobres não mostravam mais tanto interesse nas flores, agora muito mais caras do que valiam, a procura acabou, quebrando o círculo e fazendo com que o preço abaixasse muito e então, tornando impossível ganhar dinheiro com este hábito. Muitos dos que viviam da venda destas flores, se viram sem nada de um dia para o outro, já que vários haviam vendido seus bens para investir nesse negócio.
Essa foi apenas uma das muitas crises ocorridas ao longo da história citadas nos capítulos deste livro. Este livro é informativo e tem o intuito de explicar melhor este assunto complicado para um leitor que não necessariamente entende de economia. Devido a se tratar de um tema mais complexo, conta com uma leitura demorada, na qual o leitor tende a, algumas vezes, reler um capítulo para melhor compreensão. Seus capítulos contam sempre histórias independentes dos demais, sendo assim, temos várias histórias curtas, ao invés de uma única história grande.
Eu adorei muito o livro pelo motivo de conseguir cumprir a proposta de explicar Economia para alguém que não entende sobre Economia, que é um assunto de difícil compreensão. Recomendo esta leitura para momentos em que você estiver em um local mais reservado, podendo dar total atenção para o livro.

Viagem Cósmica


Assuntos relacionados à ciência sempre me causaram bastante interesse, principalmente a ciência da astronomia, pois envolve um universo de enigmas que devem estimular a curiosidade de todo mundo, quase tudo é uma incógnita no universo. Foi por isso que quando eu vi esse livro logo chamou a minha atenção, “Morte no Buraco negro e outros dilemas cósmicos” de Neil deGrasse Tyson. O autor desse livro é um cientista bem famoso, conhecido principalmente por explicar com clareza quaisquer que sejam os assuntos. Eu já tinha ouvido falar dele, assisti a uma serie muito boa, na qual ele é o apresentador, chamada “cosmos: uma odisseia no espaço”.
O livro aborda diversos assuntos acerca da astronomia em geral, ele explica desde o sistema solar até como seria morrer em um buraco negro, além de também fazer relações com pontos bem polêmicos como a existência de Deus, o que não é muito comum para os cientistas, mas ele fala que “cientistas não usam a Bíblia como fonte científica, mas como preenchimento espiritual”, o que, na minha opinião, faz todo sentido. Ele relaciona acontecimentos científicos com o cotidiano de nossas vidas e traz algumas curiosidades em relação a tais assuntos, o que torna a leitura mais dinâmica e engraçada, pois, além de tudo, ele ainda conta algumas piadas.
É claro que esse livro vai ser indicado para quem gosta de astronomia e curiosidades do espaço-tempo, vida extraterrestre e afins. Então não é bem um livro de histórias, mas não descarte a ideia de que vai ser interessante. Como eu sou meio obcecada por esses temas, eu não tenho como não gostar. Tenho que admitir que algumas partes do livro eu tive que reler, pois contêm alguns temas mais complexos, mas fora isso, é muito bom.

“Penso em Morte no buraco negro como um portal do leitor para tudo que nos comove, ilumina e aterroriza no universo”
Neil deGrasse Tyson

Isabela
9º Ano



terça-feira, 6 de novembro de 2018

Hortelã e algodão-doce


Eu escolhi ler “A barraca do beijo”, escrito por Beth Reekles, pois assisti ao filme inspirado nesse livro e gostei muito (apesar de ser completamente clichê), eu assisti ao filme 3 vezes e sempre comento com minhas amigas sobre como o casal é fofo, etc.
O livro fala sobre a paixão que Elle Evans alimenta pelo irmão mais velho de seu melhor amigo, Lee.
O que fez a paixão de Elle crescer ainda mais foi quando ela e Lee planejaram uma barraca do beijo para arrecadar dinheiro no Festival da Primavera. Agora, Elle não sabe se segue seu coração ou sufoca seus sentimentos para o bem de sua amizade com Lee, que é seu melhor amigo desde a infância.
Eu gostei muito do livro, apesar de ser bem diferente do filme, a narrativa  também é clichê e muuito fofa. Em alguns momentos da leitura, eu sentia vontade de estar na enorme casa de Lee, ou ir até a confeitaria super fofa na qual Noah, o irmão de Lee, leva Elle.
Gostei muito do fato de Lee ser bem mais compreensivo com Elle do que no filme.
Entre tantas partes fofas do livro, não sei se a minha parte favorita é *SPOILER* quando Elle e Noah se beijam pela primeira vez:

“Quando meus lábios tocaram os dele, senti gosto de hortelã e algodão-doce  […] Retribuí o beijo e esqueci de tudo por um momento” - Capítulo 10, página 96.

Ou quando Noah decide se redimir com Elle por toda a confusão que aconteceu por causa do romance deles e ele leva-a para o topo de uma colina, com vista para o mar e um show de fogos.
Confesso que no começo fiquei com raiva da Elle por esconder coisas de seu melhor amigo, mas entendo-a. Afinal, como ela contaria?
Também achei Noah meio babaca em algumas partes do livro por ser controlador com a Elle e não deixar ela sair com os caras ou usar roupas decotadas, ele usa a desculpa de que quer o bem dela, mas no final ele melhora.
Eu com certeza recomendo esse livro, principalmente se você gosta de clichês e de romance adolescente.

Beatriz
8º ano



O lago das sereias e olimpianos



Essa história, do autor Rick Riordan, é uma história em quadrinhos. Eu comecei a ler esse livro porque antes eu li um livro que era uma história falsa de Percy Jacksom, então vi esse livro na biblioteca e peguei, quando li gostei.
 Era o último dia de aula para Percy e Annabet, eles são meio sangue, metade humano e metade deuses. Antes da aula de educação física eles se depararam com os valentões.
Na aula de educação física os valentões se transformaram em monstros e começaram a atirar bolas com rastros de fogo, quando a bola de fogo ia atingir Percy, seu amigo Tyson pulou na frente da bola e Percy não foi queimado, mas os valentões lançaram outra bola que atingiu Percy, que voou para fora do ginásio. Na hora de voltar para casa, sua mãe disse que ele não poderia ir ao acampamento de meio sangue,  o acampamento meio sangue é o lugar onde os meio sangue vão passar o verão.
Percy, Annabet e Tyson foram até lá, quando chegaram viram que Grover, o professor de Percy iria embora, pois Zeus o havia culpado de ter envenenado uma árvore. No dia seguinte, começou o acampamento, todo o ano eles faziam no primeiro dia uma corrida para começar o acampamento, mas quando começou a corrida vieram corvos da morte atacando todas as carruagens. Quando os corvos saíram, quem tinha ganhado tinha sido Clarisse. Annabet ficou irritada, pois tinham sido atacados por corvos e disse que não era justo que ela ganhasse.
Depois de alguns dias eles foram para uma missão para descobrir quem tinha envenenado a árvore. Eles tinham que ir para a montanha do ciclope, mas antes teriam que passar pelas sereias.
Ao anoitecer, Percy pediu para que Annabet o amarrasse no mastro do barco, pela meia-noite as sereias começaram a cantar e Percy não se controlava, ao amanhecer Annabeth desamarrou Percy do mastro.
Depois de algum tempo eles chegaram até a montanha de Polifemo, para passar tiveram que se agarrar em baixo das ovelhas, mas quando estavam entrando Polifemo os viu e perguntou qual era o nome de Percy, ele disse que era ninguém. Polifemo estava tentando o pegar, quando o pegou Annabeth lançou uma espada que o cortou. Polifemo então bateu em Annabeth e fez-lhe um corte na cabeça, Annabeth então desmaiou. Quando tinham acabado a luta com Polifemo, curaram Annabeth com um velocino.
Eu gostei bastante do livro, mas acho que poderia ter um final melhor, dizendo melhor quem é a filha de Zeus, pois o livro só diz que ela se chama Thalia. Poderia dizer mais, como eles conversarem por um tempo e ter uma cena de luta com ela incluída. Gostaria que o livro fosse mais específico porque eles estavam indo até a montanha do ciclope.
Também queria que tivesse mais ação, mais luta, porque no livro não tem tanta. O livro fala de aventura, mas tem muita fala onde não tem tanta aventura. Se eles fizessem mais coisa, como lutar contra outros monstros, o livro ficaria mais interessante e divertido. 

Lóris
6º ano

segunda-feira, 5 de novembro de 2018

Le Meurtre Mystérieux

Assassinato no Expresso Oriente”, de Agatha Christie, é um ótimo livro para os fãs de romances policiais. O protagonista dessa obra é o famoso detetive belga, Hercule Poirot, que recebe um telegrama na recepção do hotel em que se hospedaria, na Turquia, pedindo o seu retorno imediato à cidade de Londres na Inglaterra. Com isso Poirot embarca no Expresso Oriente, que está estranhamente cheio nessa época do ano. Na metade do caminho o trem é impedido por uma nevasca na Iugoslávia, o que deixa todos muito preocupados, pois estariam presos ali por um tempo indeterminado. Mas, para piorar a situação, no meio dessa viagem um passageiro, que tinha diversos inimigos, é brutalmente assassinado durante a noite, deixando assim Poirot no papel de desvendar este assassino.
A autora produziu uma narrativa investigativa que te prende do início ao fim. Ao longo do livro, Hercule vai descobrindo novas pistas sobre o caso fazendo o leitor, junto ao detetive, ir criando suas próprias hipóteses de quem seria esse misterioso assassino.
A medida que vamos nos aprofundando nessa investigação perguntas, respostas e reviravoltas surpreendentes vão surgindo a todo momento, fazendo com que seja quase impossível parar de ler, sempre tendo aquele sentimento de “o que será que vai acontecer agora?”, proporcionando uma leitura muito emocionante. Outro ponto que achei muito bem desenvolvido por Agatha foi toda a conexão de relacionamentos que foi criada entre os suspeitos do crime e um final que foge completamente de todas as teorias que vamos formando ao decorrer do livro.
Eu realmente gostei muito deste livro, a autora descreve muito bem todo o desenrolar da história e faz eu me sentir como se estivesse presente em todos os interrogatórios, em geral é um livro que eu indico para todos que gostariam de ter uma leitura empolgante e cheia de emoções assim como eu tive.

Liu
9° Ano



As encrencas de uma garota


O livro “Les malheurs de Sophie” foi-me indicado pela minha avó. Ele foi escrito por uma mulher que chamavam de Comtesse de Ségur, e fala sobre uma menina de quatro anos chamada Sophie. Uma garota que sempre se mete em problemas, o pai dela está viajando e a mãe só briga com ela.
A história se passa na França, onde também moram os melhores amigos de Sophie: Paul, seu primo, Camille e Madeleine. Paul é um garoto comportado que sempre tenta ajudar Sophie a se comportar e ser uma pessoa melhor, e ela quer ser livre e fazer besteiras mesmo tendo que pagar as consequências.
Gostei do livro porque tem aventuras variadas que acontecem em lugares diferentes: no castelo onde Sophie mora, no pátio da casa dela, ou até numa floresta cheia de lobos. As descrições eram bem boas e fizeram me sentir dentro da história, como se eu também fosse um personagem.
O que eu não gostei é que Sophie é muito mimada, só brigam com ela, mas não lhe ensinam a não fazer besteiras e, mesmo com mal comportamento, continuam a dar presentes a ela ao invés de verdadeiramente fazer ela se comportar de uma vez por todas e evitar tantos problemas.
Recomendo a leitura deste livro, mas pode ser difícil de conseguir uma versão em português, espero que vocês gostem :)

Nuna
6º Ano


terça-feira, 30 de outubro de 2018

A criatura


O livro que eu li, e achei ótimo, foi o "Frankenstein", da escritora Mary Shelley, e eu adoraria contar sua história mesmo sendo bem macabra. Eu li a versão em quadrinhos e recomendo.
Há um tempo atrás, no século XVIII, em uma expedição com o objetivo de chegar no extremo Norte do polo Norte, um navio Britânico encontra em uma tempestade um homem passando distante da embarcação, no dia seguinte encontram outro homem, esse outro homem estava quase morto de tanto frio.
Os tripulantes o resgataram e cuidaram dele, o homem se chamava Vitor Frankenstein e ele começou a contar sua história.
Ele falava que era um brilhante cientista que tinha o objetivo de dar vida a um corpo inanimado, depois de várias tentativas ele teve sucesso, mas ele criou uma criatura feia.
Depois de ser rejeitado por seu criador, Frankenstein, a criatura matou o irmão caçula dele e em seguidapor Vitor Frankenstein não ter lhe dado uma mulher, ele matou a esposa de Vitor. Por causa disso, Vitor Frankenstein o caçou até o extremo Norte.
Depois dessa história na cabine apareceu a criatura que ficou parada vendo seu criador morrer de hipotermia.
Depois disso a criatura se joga no mar por falar que não merecia viver sem seu criador.
Eu adorei o livro porque eu gosto de quadrinhos e histórias de criaturas. Minha parte preferida é quando o monstro mata o irmão casula do Victor.
Kaique
6º Ano




A Economia de forma simples

“Crash – Uma Breve História da Economia” é um livro que, assim como indica o título, aborda o tema econômico, contando a história do dinhei...